Pular para conteúdo
quem despreza o dia das coisas pequenas? Zc. 4:10

Como num dia qualquer, sem grande mobilização, sem mídia, nem mega estrutura, um pequenino rebanho espremido pelas paredes da sala de estar de uma residência familiar, mas ali, justamente ali, a mente do Pai Eterno pôs em andamento uma grande obra, um grande ministério, as paredes não poderiam deter a marcha firme e resoluta daqueles poucos mas destemidos servos de Deus com vocação para crescer do tamanho do plano divino.

Nascia assim a igreja Ceia, ou melhor, o Ceia – Centro de Evangelismo Integrado da Amazônia, que não tinha a pretensão de ser uma igreja, mas uma agência proclamadora do Evangelho sem o engessamento peculiar das liturgias igrejanas. Hoje, os sonhos se tornaram realidade. É verdade que o crente mais otimista ainda não conseguiu vislumbrar a grandeza desta obra para os próximos dias, mesmo assim podemos dizer como Samuel “até aqui nos ajudou o Senhor”.

O Centro de Evangelismo Integrado da Amazônia – Ceia, foi fundado no dia 04 de outubro de 1989 e o seu registro em cartório aconteceu no dia 17 de agosto de 1990. O pastor Jedilson Oliveira Rodrigues foi o primeiro presidente e o pastor Dirceu Mauler, vice-presidente. As primeiras reuniões aconteceram na residência do casal Waldomiro Brito e Dagmar das Virgens Brito (na época, não eram pastores) na travessa Vileta, 2506 bairro do Marco em Belém – Pará. Posteriormente fundamos a Comunidade Evangélica Integrada da Amazônia – Ceia, agora sim, a igreja propriamente dita, no dia 29 de janeiro de 1992 e o seu registro em cartório no dia 14 de dezembro do mesmo ano.

“Quem despreza o dia das coisas pequenas?” Este versículo faz parte de um contexto onde o profeta Zacarias revela a ação poderosa do Espírito de Deus mobilizando o seu povo para erguer um templo ao Senhor. E nessa mobilização fica patente o agir forte de Deus “não por força nem por violência, mas pelo meu Espírito Santo, diz o Senhor dos exércitos (v.6). A ação poderosa de Deus é a garantia da superação dos obstáculos “quem és tu, ó monte grande? Diante de Zorobabel tornar-te-ás uma campina; e ele trará a pedra angular com aclamações: Graça, graça a ela!” (v.7)

A obra de Deus sempre terá um caráter simples, às vezes com começo aparentemente pequeno e inexpressivo, mas é bom lembrar que a real dimensão da obra de Deus não está atrelada a aquilo que os olhos físicos podem captar e sim a intensidade da presença de Deus no meio do seu povo, essa presença faz com que a Sua obra seja coroada de êxito culminando com a glória devida ao Seu nome “as mãos de Zorobabel têm lançado os alicerces desta casa, também as sua mãos a acabarão; e saberá que o Senhor dos exércitos me enviou a vós” (v.9).